Falta de gerenciamento de resíduos em abatedouros, pode gerar multas milionárias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

O que é “matadouro-frigorífico”? Como os resíduos de frigoríficos bovinos podem causar danos ambientais? Para onde vão os resíduos dos frigoríficos bovinos? Por que fazer o gerenciamento dos resíduos de frigoríficos é fundamental?

A princípio, a indústria de abate e processamento de carnes tem uma participação relevante na economia brasileira. Contudo, a quantidade de resíduos gerados por frigoríficos e abatedouros são altamente poluentes. Logo necessitam de uma separação e tratamento adequados, antes de serem lançados no meio ambiente. Caso contrário, podem sofrer sanções legais que vão desde notificações, até o fechamento permanente da empresa.

Neste sentido, biodigestores significam uma solução altamente lucrativa e sustentável para este setor do agronegócio.

O que é “matadouro-frigorífico”?

Entende-se por “matadouro-frigorífico” o estabelecimento com instalações completas e equipamento adequado para o abate e processamento de carnes e derivados. Esta agroindústria deve seguir rígidas normas sanitárias que regulamentam desde a infra estrutura até o transporte do produto final. Do mesmo modo, órgãos ambientais regulamentam e cobram o plano de gerenciamento de resíduos sólidos do  setor de frigoríficos.

Como os resíduos de frigoríficos bovinos podem causar danos ambientais?

Antes de tudo, o abate de bovinos nos frigoríficos gera  grandes quantidades de resíduos líquidos, semissólidos e sólidos.  Tais como: como couros, sangue, ossos, gorduras, aparas de carne, vísceras e partes condenadas pela inspeção sanitária, entre outros.

De antemão, existem muitos frigoríficos de grande porte, onde são realizados cerca de 2 mil abates por dia! Agora, já parou para pensar na quantidade de resíduos gerados diariamente?

Além disso, estes resíduos de frigoríficos são preocupantes por possuírem altos valores de demanda bioquímica de oxigênio. Sempre altamente poluentes, necessitam de uma adequada separação e tratamento antes de serem lançados no meio ambiente.

Frequentemente,  inúmeros frigoríficos não possuem sistemas adequados para descartar os resíduos, falta de plano de gerenciamento de resíduos sólidos. Constantemente, estes resíduos acabam ocasionando sérios problemas ecológicos com graves consequências também para a saúde pública.

Embora os resíduos de frigoríficos, sejam considerados resíduos orgânicos, possuem um alto grau de patogenicidade e presença de muitas bactérias. Esses resíduos  de frigoríficos se descartados de forma inadequada causam problemas ambientais gravíssimos. Bem como a contaminação do ar, solo e da água. Ao mesmo tempo, que  reduz profundamente a qualidade de vida de pessoas que moram próximo a eles.

Em primeiro lugar, um dos problemas dos frigoríficos são os odores emitidos por substâncias como gás sulfídrico (H2S) e enxofre. Bem como diversos compostos orgânicos voláteis. Dessa forma, a origem destas substâncias está diretamente relacionada ao gerenciamento inadequado dos resíduos sólidos e dos efluentes.

Em outras palavras, sistemas de tratamento de resíduos inadequados. Associado a isso, frigoríficos têm um  alto consumo de água o que gera grandes volumes de efluentes. Esses efluentes possuem: alta carga orgânica, devido à presença de sangue, gordura, esterco, conteúdo estomacal não digerido e conteúdo intestinal.

Para onde vão os resíduos dos frigoríficos bovinos ?

Atualmente no Brasil, os resíduos líquidos dos frigoríficos bovinos são levados a lagoas de estabilização. Ao passo que os resíduos considerados sólidos são destinados a aterros sanitários.

No entanto, como dito antes, esses materiais possuem bactérias. Essas bactérias têm o poder de acelerar a decomposição auxiliando a fermentação. Por si só, estes resíduos de frigoríficos tendem a se degradar para no final se neutralizarem. Esse processo pode ser acelerado em usinas de biogás, comumente chamadas de biodigestores.

Sobretudo, a forma como é feito o descarte desses resíduos de frigoríficos, desperdiçam matéria orgânica, potencial gerador de biogás. Assim como se desperdiça a oportunidade de negócios lucrativos e sustentáveis com estes resíduos sólidos.

Então, o desafio que surge, é provar que investimentos em biodigestores são sinônimos de empreendimentos mais produtivos e altamente lucrativos. Simultaneamente, a adequação à questão ambiental em frigoríficos catalisam o aumento da oferta de energias renováveis utilizando tecnologias limpas.

Por que fazer gerenciamento dos resíduos de frigoríficos é fundamental?

Antes de mais nada, as indústrias precisam estar atentas à legislação a qual estão sujeitas. Até mesmo para evitar multas e a associação da sua imagem à degradação do meio ambiente. Principalmente por que,  a sociedade está cada vez mais sensível às questões ambientais.

Sobretudo,  a questão ambiental hoje é permanente e as empresas de qualquer ramo de atividade têm de se adaptar à nova realidade. Além disso, devem buscar transformar os problemas ambientais em oportunidades de negócios.

Atualmente os frigoríficos devem buscar o manejo ambiental dos seus resíduos implantando alternativas de produção sustentáveis adequadas às legislações ambientais. Os empresários devem se conscientizar e procurar alternativas para minimizar os impactos de suas empresas no meio ambiente.

Nesse ínterim, o desenvolvimento sustentável através do uso de mecanismos de desenvolvimento limpo tornou-se de vital importância. Simultaneamente, combater a poluição e a degradação do meio ambiente minimizam os custos das indústrias e geram renda.

Sob o mesmo ponto de vista, os frigoríficos bovinos produzem  resíduos  que podem ser tratados em biodigestores anaeróbios e com retorno vantajoso para o empreendedor. O gerenciamento de resíduos orgânicos em um frigorífico é uma ótima oportunidade para geração de biogás.

“O desperdício de material orgânico é sinônimo de desperdício de dinheiro”. Gleysson Machado

Sinceramente, quero que vocês entendam o potencial desse mercado. Espero que com nosso curso de Plano de Negócios para Biodigestores amplie sua visão sobre o assunto. Que você possa enxergar oportunidades e realizar negócios com  altíssima competência.

O gerenciamento estratégico é a chance de praticar a sustentabilidade. Com ele existe a oportunidade para construção de biodigestor como forma de tratamento de resíduos. Por sua vez, os biodigestores são a forma de melhorar a qualidade ambiental, gerar emprego e retorno econômico.  A decomposição da matéria orgânica em biodigestores gera produtos de alto valor comercial como : Biogás, biofertilizantes, energia térmica  e elétrica.

Você sabia …

Que a falta de gerenciamento em abatedouros e frigoríficos podem gerar multas milionárias?

No caso de matadouros e frigoríficos, os impactos gerados ao meio ambiente estão relacionados à geração de resíduos sólidos e efluentes líquidos. Nessa perspectiva, apresentam-se como uma atividade econômica geradora de grande potencial poluidor. Muitos dos estabelecimentos nesta categoria, públicos ou privados, continuam usando padrões insustentáveis de produção.

córrego com água poluída por efluentes de abatedouro

 

Apesar de todo o aparato normativo, é comum identificar matadouros em condições precárias de funcionamento. Isso, infelizmente, traz fatores de risco ao meio ambiente, à saúde da população e à economia.

Nestes termos, a Política Nacional do Meio Ambiente busca promover a integração sistêmica das ações governamentais entre Federação, Estados e Municípios. Em contrapartida, a Constituição tem na defesa do meio ambiente, um dos princípios fundamentais nas atividades econômicas.

A seguir destaco o trecho do capítulo VI da Constituição Federal de 1988:

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

§ 1º – Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: […]
IV – exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade;

V – controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente; […].

Além desses instrumentos legais, temos, ainda, outras medidas de controle :

A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, dispõe sobre os critérios, sanções penais e administrativas derivadas de condutas lesivas ao meio ambiente e o Decreto nº 6.514, de 12 de julho de 2008. Que trata das infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, imputando ao infrator algumas penalidades, tais como:

  • advertência,
  • multas,
  • demolição de obra,
  • suspensão parcial ou total das atividades, entre outras penalizações.

Dentro das determinações legais, assistimos constantemente a aplicação de multas milionárias para as empresas que desobedecem o estabelecido. Dinheiro desperdiçado que poderia ser empregado nas adequações às normas ambientais.

Notícias referentes:
Abatedouro sem licença é autuado em R$83.511 por poluição
Prefeitura multa abatedouro em R$ 50 mil por dia devido ao mau cheiro
Procon de Maringá multa abatedouro de frangos em R$ 1 milhão por problemas ambientais

Quer saber mais? Inscreva-se no nosso canal, participe da nossa live e assista nossos vídeos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Deixe um comentário

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Não pare agora, continue lendo!