COMO EVITAR A CRISE DOS FERTILIZANTES QUÍMICOS NO AGRONEGÓCIO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Em 2021, muitos agricultores sentiram no bolso o impacto das crises e altas de preços dos fertilizantes químicos no mercado mundial. Para o ano que vem os problemas são maiores ainda: vai faltar fertilizante para a safra de 2022.

O agronegócio é uma potência na economia nacional e muito valorizada – “Agro é pop, agro é top, agro é tudo”- repetem as propagandas em todas as mídias. Responsável pela produção de alimentos, este setor tem enfrentado muitos desafios para se manter produtivo.

Um deles é o alto custo dos fertilizantes químicos que vêm de fora do país. Com a desvalorização do Real e dolarização do mercado, do Oiapoque ao Chuí, os custos da produção no “agro”, doeu fundo nos bolsos dos produtores. E o pior está por vir: a falta anunciada de fertilizantes químicos para a safra do segundo semestre de 2022.

O Ministério da Agricultura está estudando formas de reduzir o impacto que isso vai causar não só no agronegócio. Segundo Carlos Goulart, diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas do Ministério da Agricultura, “a Pasta tem acompanhado e monitorado os efeitos nas cadeias de suprimento. O cenário é real de eventual falta de fertilizantes para as safras seguintes”.

Goulart afirmou também, durante audiência pública na Câmara dos Deputados que esta situação deve se perpetuar e vai exigir planejamento da cadeia nacional. Ou seja, mais um problema muito sério onde fertilizantes químicos importados ocupam o centro do palco.

Fertilizantes químicos: devorador dos lucros no agronegócio

com preços cotados em dólar no mercado mundial, fertilizanrtes químicos subtraem boa parte dos resultados dos agricultores
Os altos preços dos fertilizantes químicos e o anúncio da escassez colocam o agronegócio na corda bamba.

É uma analogia muito contraditória. Mas o que garante a produtividade no campo é exatamente o que consome boa parte dos lucros dos produtores rurais: os super-fertilizantes químicos importados.

Para ter uma ideia mais clara sobre os absurdos nos preços desses produtos no mercado internacional, vou lhe dar um norte. Atualmente, suplementos nitrogenados, fosfatados e potássicos ultrapassaram a marca de 800 dólares por tonelada!

E mesmo com os preços “pela hora da morte”, os fertilizantes químicos ocupam o segundo lugar nas importações de todos os produtos que entram do exterior para o Brasil. Só no 1º semestre de 2021, foram US $2,068 bilhões gastos com estes insumos agrícolas.

Isto significa que 13 milhões de toneladas deste produto entraram no país em apenas 6 meses! Como são indispensáveis para manter ou aumentar a produtividade, às vésperas de uma nova safra, agricultores questionam: qual será o melhor momento para comprar esses insumos agrícolas? Mesmo sem questionar preços, haverá fertilizante químico para ser comprado?

Mais crise à vista no agronegócio

A instabilidade nos preços dos fertilizantes químicos importados e a ameaça de não conseguir encontrá-los para comprar, não são os únicos problemas previstos para o nosso “agro tudo”.  A crise no abastecimento de água e energia, também pode causar prejuízos gigantes.

Imagine fazer uma colheita recorde de grãos, por exemplo, soja. Tudo já nos silos automatizados, aguardando o caminhão encostar para ser enfim, transportado até o comprador. Só alegria!

crise energética e falta de fertilizantes podem prejudicas as próximas safras

Mas por falta de energia os silos automatizados não conseguiram cumprir seu papel e um navio inteiro de soja é devolvido por conta de grãos úmidos, em condições impróprias para industrialização.
Qual o tamanho do prejuízo para o produtor?

Somando esses fatores: preços absurdos de energia, falta de água e o peso do dólar sobre os preços dos fertilizantes que sumiram do mercado, como o agro pode se manter seguro? Se o agro bambear, os reflexos na economia podem ser fatais para muitos segmentos.

Vai faltar fertilizante químico em 2022

A solução para a escassez de fertilizantes químicos pode ser totalmente resolvida com biofertilizantes.

O Ministério da Agricultura vem estudando formas de reduzir os prejuízos que a falta de fertilizantes, prevista para a safra de 2022, pode causar. Uma das possibilidades é estreitar relações com a China a fim de manter a demanda ao menos do potássio pois 85% do volume consumido aqui no país, é importado.

Enquanto o governo se prende no problema do agronegócio, indústrias e demais cadeias produtivas correm atrás de resolver outro grande problema: o desabastecimento de energia.

Mas existe uma forma de resolver todas estas dores com uma única tecnologia. Embora quase nunca mencionados, e possivelmente fora dos debates, os Biodigestores automatizados conseguem solucionar com plenitude a escassez de fertilizantes e de energia elétrica.

Entre projeto, construção e instalação, um Biodigestor leva três mesas para ficar pronto e 6 meses para o funcionamento pleno. Além disso, é alimentado por resíduos orgânicos dos mais variados gêneros. Dessa forma, proporciona a destinação final ambientalmente adequada dos resíduos orgânicos com 100% de aproveitamento dos seus produtos.

Vantagens dos Biodigestores automatizados para o agronegócio

  1. Aproveitamento de todos os resíduos orgânicos produzidos na propriedade;
  2. Produção de biogás;
  3. Produção de energia elétrica;
  4. Produção de biofertilizantes;
  5. Geração contínua de biogás,energia e biofertilizantes independente de intempéries climáticas.

Eficácia dos Biofertilizantes na agricultura

Com biofertilizantes resolve-se defiências nutricionais do solo e a produtividade aumenta

Os biofertilizantes proporcionam não só uma nutrição funciona para o solo, mas também fisiológicos e biológicos, sendo muito mais eficientes que os fertilizantes químicos industrializados, isto porque:

  1. Liberam os nutrientes de forma mais lenta e mais compatível com o que a plantação precisa;
  2. Ajudam a manter a umidade do solo;
  3. Melhoram a estrutura orgânica do solo;
  4. Previnem a erosão do solo;
  5. Possuem menor custo quando comparado aos demais tipos de adubos;
  6. Não envenenam seres vivos nem contaminam o meio ambiente.

Resumindo:

A solução para estes problemas que já estão impactando profundamente a vida de todos os brasileiros, é mais simples e mais eficiente do que foi sugerido até agora. Até mesmo porque Biodigestores automatizados depois de instalados e colocados em funcionamento, geram energia e os melhores e mais potentes fertilizantes independente de condições climáticas ou geográficas, ou relações internacionais.

Significa independência de sistemas e autonomia para produzir mais e melhor seja em que segmento for. Isto sem falar que ainda existe a venda dos créditos de carbono, que são cotados em euros e pagos por países poluidores como forma de incentivo para redução de emissão de carbono!

Este artigo foi relevante para você? Deixe seu comentário e compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Deixe um comentário

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Não pare agora, continue lendo!