COMO REDUZIR OS IMPACTOS NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CAUSADOS PELO CONFLITO ENTRE RÚSSIA E UCRÂNIA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Na quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022, a Rússia iniciou uma “operação militar especial” e bombardeou a Ucrânia. Embora o conflito pareça ser localizado, já tem impactos na geopolítica global e consequentemente, na economia brasileira. Isto sem mencionar os riscos de sanções internacionais que podem recair sobre o Brasil, depois da visita do Presidente Bolsonaro à Rússia.

Quem é esta “tal” Ucrânia? O que o Brasil tem haver com Rússia e Ucrânia? O que acontece com o agronegócio brasileiro se o conflito entre Rússia e Ucrânia se intensificar? É possível o Agronegócio se desviar dos impactos dessa crise e aproveitar para lucrar mais? Quais as vantagens dos biofertilizantes?

Quem é esta “tal” Ucrânia?

Situada no Sudeste da Europa, a Ucrânia é o segundo maior país do continente, depois da Rússia. Antes de qualquer coisa, é preciso entender porque Rússia e OTAN -Organização do Tratado do Atlântico Norte – querem tanto a Ucrânia. Veja esta lista de motivos que ninguém menciona:

  • 1° lugar na Europa em reservas recuperáveis, de minérios de urânio;
  • 2° lugar na Europa e 10° lugar no mundo em de reservas de minério de titânio;
  • 2° lugar no mundo de reservas de manganês (2,3 bilhões de toneladas, ou 12% das reservas mundiais);
  • 2° maior reserva de minério de ferro do mundo (30 bilhões de toneladas);
  • 2° lugar na Europa em reservas de mercúrio;
  • 3° lugar na Europa em reservas de gás de xisto (22 trilhões de metros cúbicos)
  • 4° no mundo pelo valor total dos recursos naturais;
  • 7° lugar no mundo em reservas de carvão (33,9 bilhões de toneladas)
  • 1° na Europa em área de terra arável;
  • 1° lugar no mundo em exportações de óleo de girassol.
  • 2° lugar no mundo na produção de cevada;
  • 3° maior produtor e 4° maior exportador de milho do mundo;
  • 4° maior produtor de batatas do mundo;
  • 5° maior produtor de centeio do mundo;
  • 8° lugar no mundo em exportações de trigo;
  • 1° na Europa na produção de amônia;
  • 4° maior sistema de gasodutos de gás natural da Europa no mundo (142,5 bln metros cúbicos de capacidade de produção de gás);
  • 3° maior da Europa e 8° maior do mundo em capacidade instalada de usinas nucleares;
  • 4° maior exportador de turbinas para usinas nucleares do mundo;
  • 4° maior fabricante mundial de lançadores de foguetes;
  • 4° lugar no mundo em exportações de titânio;
  • 10° maior produtor de aço do mundo (32,4 milhões de toneladas).

Ou seja, é um país muito importante na economia global.

A guerra entre Rússia e Ucrânia impacta toda a economia global, mas principalmente o Brasil e o agronegócio, um dos principais setores do PIB brasileiro.
A guerra entre Rússia e Ucrânia afeta diretamente o agronegócio brasileiro.

O Brasil tem muitos negócios bilaterais tanto com a Ucrânia, quanto com a Rússia, principalmente dentro do agronegócio. Aliás, a visita do “Presidente” Bolsonaro à Rússia foi uma tentativa de harmonizar os conflitos com a China, uma das mais importantes aliadas da Rússia. E claro, tentar garantir o mínimo de fornecimento de insumos vindos destes países, para a produção de fertilizantes químicos, fundamentais para o agronegócio brsileiro.

O conflito entre Rússia e Ucrânia impacta profundamente o Brasil, para ter uma ideia mais clara, em 2021 foram importados:

  • Uréia 1,3 milhão de toneladas, US$ 1,2 bilhão ;
  • Nitrato de amônio, 1,4 milhão de toneladas;
  • Nitrogênio, fósforo e potássio, 967 mil de toneladas;

O Brasil também vende para estes países, principalmente para a Rússia. A soja, por exemplo, foram 768,2 mil toneladas compradas pela Rússia em 2021, ou seja, US $343,2 milhões.

Percebeu como o conflito entre Rússia e Ucrânia impacta o Brasil? Então some a isto as sanções internacionais sobre a Rússia, que impedem outros países de comprar ou vender para a mesma; considere também a visita do “Presidente” Jair Messias Bolsonaro, neste momento de conflito, onde sinalizou em seus discursos, apoio à Rússia se colocando como “persona duvidosa” diante dos países da OTAN, com os quais o Brasil tem alianças.

Conseguiu mensurar o resultado de tudo isso? E o Agronegócio brasileiro, um dos principais no impulsionamento do PIB do país, é o mais afetado. Considerando os reflexos do agro sobre toda sociedade e economia do Brasil, as perspectivas são alarmantemente preocupantes! Como assim? Vou lhe explicar.

O que acontece com o agronegócio brasileiro se o conflito entre Rússia e Ucrânia se intensificar

Como você pode ver neste artigo, o conflito entre Rússia e Ucrânia impacta diretamente e com mão pesada, o Brasil. E um dos setores mais afetados é sem dúvidas o agronegócio.

Com as sanções internacionais, a primeira commodities que tem o preço disparado é o petróleo. Como a Petrobrás segue as variações do mercado internacional, já se pode esperar um aumento sem precedentes no preço dos combustíveis, o que implica diretamente nos preços dos alimentos. Mas não é só isso.

Os principais produtos que o Brasil importa da Rússia, são matérias-prima fundamental para produção de fertilizantes agrícolas. Aliás, o verdadeiro motivo da visita do Presidente Bolsonaro à Rússia mesmo em conflito, foi garantir, custe o que custar, o fornecimento de nutrientes derivados do nitrogênio, potássio e fosfatados para o agro brasileiro.

Agrofertilizandes químicos ainda mais caros e escassos devido a crise entre Rússia e Ucrânia
Na dependência de insumos importados, a produção de agrofertilizantes fica totalmente comprometida com a crise entre Rússia e Ucrânia.

No ano passado estes insumos já fecharam o ano com preços nas alturas e mesmo assim, em baixa oferta no mercado. Com o conflito Ucrânia e Rússia, pode-se esperar uma crise nunca vista neste setor. Afinal, sem fertilizantes o agro não tem perspectiva de produção.

É possível o Agronegócio se desviar dos impactos dessa crise e aproveitar para lucrar mais

O Brasil é um gigante, não só territorialmente falando, mas em autonomia em todos os sentidos. Mesmo diplomaticamente sendo necessárias as relações comerciais com outros países, se tivéssemos uma política voltada à soberania nacional, crises como esta ao invés de nos “sitiar”, seriam um motor propulsor para nossas importações.

Alguns produtores rurais de grande porte, já defendem derrubar a Amazônia para explorar os depósitos de fosfato que existem no subsolo da floresta. Uma irracionalidade absoluta! Primeiro porque se a floresta for derrubada, compromete diretamente o agro que a devasta dizendo buscar salvação.

Sem a floresta amazônica, automaticamente as chuvas que irrigam o centro-oeste e o sudeste do Brasil, simplesmente deixariam de existir. Assim as terras de plantio se tornam um grande deserto. Então, quem poderá nos salvar?

Para se livrar dos impactos causados pela guerra da Rússia e Ucrânia sobreo agronegócio brasileiro, o melhor caminho é a implantação de biodigestores.
A solução para contornar a crise nos agrofertilizantes é simples e sustentável: biofertilizantes.

Embora sejam seculares, os Biodigestores são pouco ou nunca mencionados nas discussões que buscam soluções. Isto acontece porque a indústria dos fertilizantes químicos se tornariam desnecessária uma vez que os produtores investissem nessa tecnologia ao invés de insumos industrializados que além de caros são altamente tóxicos.

Veja bem, um Biodigestor automatizado leva em média 6 meses entre projeto, construção e funcionamento. É alimentado com matéria orgânica, fezes de animais, restos de comida, cascas, podas e até mesmo esgoto urbano. Ou seja, matéria-prima não falta no Brasil!

Tudo o que é resíduo orgânico é alimento para um Biodigestor que faz a compostagem desses resíduos sem oxigenação. Através da biodigestão são produzidos do lixo orgânico:

  • Energia elétrica;
  • Energia térmica;
  • Biogás (que pode ser usado para veículos e gás de cozinha;
  • Biofertilizantes.

Se o Brasil investir em Biodigestores, numa crise como esta onde países produtores de grãos em guerra, causam desabastecimento no mercado, teríamos exportações recordes para o mercado internacional. Ou seja, ao invés de reféns de conflitos como este, seríamos salvadores do mundo.

Quais as vantagens dos biofertilizantes

Os Biofertilizantes proporcionam não só uma nutrição funcional para o solo, mas também fisiológicos e biológicos, sendo muito mais eficientes que os fertilizantes químicos industrializados, e totalmente atóxicos. Isto porque:

  1. Liberam os nutrientes de forma mais lenta e mais compatível com o que a plantação precisa;
  2. Ajudam a manter a umidade do solo;
  3. Melhoram a estrutura orgânica do solo;
  4. Previnem a erosão do solo;
  5. Possuem menor custo quando comparado aos demais tipos de adubos;
  6. Não envenenam seres vivos nem contaminam o meio ambiente.

Contudo, é óbvio que as poderosas multinacionais não têm interesse algum na popularização dessa tecnologia. Investem bilhões em publicidade, dias de campo, e até mesmo na especialização de engenheiros agrônomos que difundem seus produtos.

Contudo, diante da situação que presenciamos hoje dado ao conflito entre Rússia e Ucrânia, está mais que clara, a urgência de nos libertarmos dos fertilizantes químicos. Com certeza implantar Biodigestores é uma medida mais rápida e eficaz do que derrubar a Amazônia para extrair fosfato.

Você não sabe quem procurar para uma consultoria sobre a viabilidade de Biodigestores? O Virapuru Training Center tem treinamentos e uma lista dos mais bem treinados consultores para agilizar a sua independência e autonomia de produção na sua propriedade!

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Deixe um comentário

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Não pare agora, continue lendo!