FABRICAÇÃO DE AÇÚCAR E ETANOL A PARTIR DA CANA-DE-AÇÚCAR

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
A fabricação de Açúcar e Etanol a partir da Cana-de-açúcar pode melhorar a eficiência mas já garante ao Brasil uma posição de destaque no mercado mundial.

Como é a fabricação de Açúcar e Etanol a partir da Cana-de-açúcar? Quais as etapas do processamento? Que resíduos são gerados e como tratá-los? Neste artigo você aprenderá como reaproveitar do resíduo da melhor forma com benefícios econômicos e sustentáveis. 

A cana é uma planta semi-perene da família das gramíneas, pertencente ao gênero Saccharum. Oriunda das regiões temperadas quentes e tropicais da Ásia, hoje é cultivada em vários países do mundo, como Índia, outros países da África e do Caribe. Em determinadas regiões desses países, a cana encontra condições climáticas ideais para seu crescimento: uma estação quente e úmida, que propicia a germinação, o brotamento e o desenvolvimento da planta, e uma estação seca e fria, que promove a maturação dos colmos e o acúmulo de sacarose.

Processamento da Cana

Cerca de 140 kg de açúcar ou 86 de etanol podem ser obtidos de uma tonelada de cana. A figura abaixo resume o sistema paralelo de fabricação de etanol a partir da cana:

Rotas tecnológicas para produção de etanol

Ao chegar à usina, a cana-de-açúcar é esmagada, gerando o caldo de cana ou garapa. Após recolher o caldo de cana, ele é acrescido de melaço de processos anteriores formando o mosto, que é então adicionado de uma mistura conhecida como “pé-de-cuba” (levedura recuperada e tratada para diminuição do pH e do teor alcoólico).

A fermentação

A fermentação do mosto ocorre em tanques denominados dornas de fermentação, pelo pro cesso Melle-Boinot, que envolve a recuperação das leveduras e seu reuso no processo, após tratamento.

Após um período de 4-12 horas a fermentação termina gerando um produto final de teor alcoólico entre 7 e 10% que é então centrifugado para separação e recuperação da levedura e segue para a destilação, de onde se obtém o álcool hidratado.

A destilação

Na etapa de destilação, o álcool, água (89-93%) e os demais componentes (glicerina, outros alcoóis, furfural, aldeído acético, ácidos succínico e acético, bagacilho, leveduras, bactérias, açúcares mais complexos, sais minerais, albuminóides, CO2 e SO2) são separados de acordo com seus respectivos pontos de ebulição, em três etapas sequenciais. Na destilação propriamente dita, o álcool é separado do vinho fermentado em duas fases: a flegma (vapores com 40 a 50° GL) e a vinhaça (com menos de 0,03° GL). A vinhaça pode ser utilizada como substrato para a produção e uso de biogás na própria indústria.

A retificação

No processo de retificação a flegma é concentrada até obter um grau alcoólico de 96° GL em sua saída e retirar as impurezas como álcoois homólogos superiores, aldeídos, ésteres, aminas, ácidos e bases. Separa-se ainda o óleo fúsel, composto rico em álcool amílico e isoamílico, usados com aditivos na indústria química.

A desidratação

Finalmente, parte do álcool então produzido passa pelo processo de desidratação com monoetilenoglicol, que reduz a volatilidade da água e permite a evaporação do etanol, que segue separado. Tem-se então um produto com 99,9° GL, o álcool anidro.

Os resíduos da processamento da cana-de-açúcar

Durante o processo de destilação ocorre a geração de uma grande quantidade de vinhaça. Estudos mostram que a vinhaça tem uma grande quantidade de matéria orgânica que poderia ser aproveitada energeticamente em um biodigestor. A eficiência do biodigestor vai depender do modelo de negócio previsto para o projeto.  A tecnologia de biodigestor escolhida deverá levar em consideração as demandas exatas do projeto como um todo.

Em usinas atuais, os resíduos de bagaço e a palha (o lixo do processo), são queimados nas caldeiras para geração de vapor e bioeletricidade. A vinhaça teoricamente pode ser acumulada em lagoas impermeabilizadas e usada para fertirrigação do canavial. Antes disso seria necessário passar por um processo de estabilização. Dessa forma o tratamento de resíduos acontece através de uma usina de geração de energia e uma estação de tratamento de efluentes.

O biodigestor oferece a incrível vantagem de poder fazer o tratamento de efluentes e a geração de energia em apenas uma usina.

O biodigestor oferece a incrível vantagem de poder fazer as duas coisas utilizando-se apensas uma usina. O bagaço, a palha e a vinhaça poderiam servir como substrato. O resultado do processo seria o biogás e o biofertilizante já estabilizado.

Biodigestor Anaeróbio na cidade de Oyten. Utiliza milho e esterco bovino como substrato

O resultado da substituição de usinas de geração de energia e estações de tratamento de efluentes por biodigestores é um impacto significativo na economia de recursos de investimentos melhorando ainda mais o uso de recursos.

Saiba mais em Biodigestores Anaeróbios

Vídeo sobre o processo

No vídeo abaixo é possível acompanhar todo o processo de produção:

Fonte: Cadernos de Educação Ambiental – Etanol e Biodiesel . Governo do Estado de Sao Paulo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Deixe um comentário

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Não pare agora, continue lendo!