fbpx
Fevereiro 29, 2016
||||| 0 |||||
386

Sulfatogênese na Biodigestão Anaeróbia

Formação de enxofre nas paredes de um fermentador de uma usina de biogás

Como acontece a geração de biogás? Quais são as fases da biodigestão anaeróbia? Que fatores influenciam na eficiência do processo? Existe algum processo competitivo com a fase de geração de metano? Conheça a sulfatogênese na Biodigestão Anaeróbia

A geração de biogás ocorre de forma simultânea e interdependente. Isso significa que uma alteração em uma das fases pode afetar todo o processo de biodigestão. Apesar de acontecer de forma simultânea, a sequência para a geração de biogás segue as etapas Hidrólise, Acidogênese, Acetogênese, Metanogênese e também de Sulfatogênese. A maior parte das reações são catabólicas, ou seja, a formação de biomassa é muito baixa.

Você consegue se imaginar altamente preparado para trabalhar no mercado de biogás?

A quantidade de enxofre influencia no desempenho da geração de biogás, especialmente de metano, de forma positiva ou negativa. Como diz o ditado, o equilíbrio está no meio. Neste artigo você entenderá a importância de se fazer análises sobre a composição do substrato a ser utilizado em biodigestores.

Ter um projeto eficiente significa ter domínio sobre as particularidades do processo de biodigestão. Mesmo em Biodigestores automatizados, o monitoramento deve ser constante.

Leia mais em O maior Biodigestor do Mundo

De onde vem o enxofre?

O enxofre é um mineral essencial para a saúde e no organismo exerce um papel muito importante. É encontrado em praticamente todos os tecidos e ajuda a combater bactérias protegendo contra substâncias tóxicas. É encontrado em alimentos ricos em proteína como carnes, lentilhas, feijão, laticínios, cebola, alho, ovos, coco, banana, abacaxi, melancia, … O mineral ajuda na formação de músculos e manutenção de cabelos e pele.

Na geração de biogás também há geração de Sulfeto de hidrogênio, em nomenclatura antiga sulfureto de hidrogênio, citado algumas vezes como gás sulfídrico ou sulfidreto. Para que o biogás possa ser utilizado para geração de energia em motores e geradores é necessário fazer a dessulfurização do biogás.

Conhecimento privilegiado

Entender o processo de fermentação anaeróbia é parte fundamental para futuros profissionais que pretendem trabalhar com tratamento de resíduos orgânicos. A maior parte dos erros em biodigestores ocorre justamente pela falta de compreensão do processo por parte do desenvolvedor. Em muitos casos, não gerar biogás em grande quantidade impossibilita a viabilização econômica do projeto.

Seus futuros clientes poderão se sentir aliviados e tranquilos. Você saberá como resolver os problemas da melhor forma

Até o Portal do Biogás publicar os artigos sobre as fases da Biodigestão Anaeróbia, esse conhecimento era de acesso extremamente dificultado. A maior parte das fontes de ciência sobre o assunto se encontram somente em inglês e alemão. Manter esse conhecimento com acesso restrito tem explicações comerciais fortes. A Alemanha atual líder isolada deste mercado, tem mais de 9.200 (statista) biodigestores construídos enquanto que a Itália, o segundo colocado tem 1.300 biodigestores automatizados de uso comercial.

Nós entendemos que a implementação de biodigestores para o tratamento de resíduos ajuda na limpeza das cidades, rios e atmosfera. Além disso, gera emprego e estimula o desenvolvimento sustentável onde for aplicado.

Por isso lançamos o curso PLANO DE NEGÓCIO PARA BIODIGESTORES AUTOMATIZADOS. Assim disseminamos o conhecimento essencial para o desenvolvimento de projetos nos locais onde de fato é necessário. Com isso, oferecemos oportunidades para profissionais em todo lugar do mundo onde chegar a internet.

A sulfatogênese

Durante a fase da Sulfatogênese na Biodigestão Anaeróbia ocorre em paralelo e concorrente a produção de sulfeto de hidrogênio. Um outro grupo microbiano presente nos ambientes anaeróbios é o das Bactérias redutoras de sulfato ou sulforedutoras. Estas promovem o metabolismo dissimilatório, ou seja, a redução desassimilativa do íon sulfato (aceptor final de elétrons). As bactérias sulforedutoras são estritamente anaeróbias e além do sulfato, fazem a redução de sulfito e outros compostos sulfurados.

Em substrato com pouca ou nenhuma concentração de sulfatos, a biodigestão ocorre das fases de hidrólise até a metanogênese. A passam a ser utilizados pelas bactérias sulforedutoras, alterando assim as rotas metabólicas de um biodigestor anaeróbio.

Competição com a metanogênese

No processo de digestão, a metanogênese compete com os demais grupos pela utilização dos ácidos voláteis. Os concorrentes geram sulfeto de hidrogênio (H2S), que pode promover a precipitação de íons metálicos e gás carbônico.

Este grupo de bactérias é considerado muito versátil, pois consegue utilizar uma ampla variedade de substratos. Isso inclui a cadeia de ácidos orgânicos voláteis, ácidos aromáticos, hidrogênio, metanol, etanol, glicerol, açúcares, aminoácidos e vários compostos fenólicos.

Devido à sua capacidade de utilizar acetato e hidrogênio, as bactérias redutoras de sulfato acabam competindo com as bactérias da fermentativas, acetogênicas e metanogênicas pelos substratos disponíveis no processo de biodigestão anaeróbia. (B. Machado 2016).

A Alemanha é líder de tecnologia neste mercado

A Alemanha tem mais de 9.200 biodigestores comerciais em operação e faz o aproveitamento comercial completo deste segmento. O desenvolvimento próprio de tecnologia rende por ano vários milhões de euros às empresas alemães. Mas como a Alemanha se tornou líder em tecnologias no setor de biogás? Como dominar um setor que promete ser a base de mudança na forma de consumo de energia da humanidade? O que os outros países podem aprender com a Alemanha?

Biodigestor de pesquisa da Universidade de Hohenheim na Alemanha (Foto: Gleysson B. Machado)

Saiba mais sobre isso no artigo O biodigestor experimental da universidade de Hohenheim.

Como medir a eficiência de um biodigestor anaeróbio

Biodigestor indiano, chinês, canadense, alemão, de batelada, … são inúmeros os tipos e modelos de biodigestores. O conhecimento utilizado aqui é praticado em todos os modelos de biodigestores existentes. Qual a diferença entre as tecnologias e como medir a eficiência de um biodigestor anaeróbio? Os profissionais que pretendem trabalhar nesta área não podem ficar sem resposta para essas questões.

Fontes:

  • B. Machado 2016: Bezerra Machado, Gleysson; Geração e Aproveitamento Energético do Biogás, PROJETO PROBIOGÁS 2016
  • 8 alimentos ricos em enxofre, Site Mundo Boa Forma
Share this:
Tags:

About gleysson

gleysson

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • LinkedIn
  • Email